DPC testa o emprego de drones em apoio à fiscalização do tráfego aquaviário

A Diretoria de Portos e Costas (DPC) iniciou em janeiro de 2018 um projeto piloto para verificar a aceitabilidade do emprego de drones em apoio as ações de fiscalização do tráfego aquaviário das Capitanias dos Portos, Delegacias e Agências. Trata-se de um drone, a ser operado por um militar da equipe de Inspeção Naval (IN) das Organizações Militares (OM) do Sistema de Segurança do Tráfego Aquaviário (SSTA), a partir de uma base em terra e, também, a partir de embarcações no mar. A Capitania dos Portos do Rio de Janeiro (CPRJ) foi a OM selecionada para efetuar a avaliação, juntamente com a DPC.
Alguns Inspetores Navais da CPRJ realizaram treinamentos ministrados por militares da própria DPC e já se encontram inscritos e licenciados no Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) para operar o equipamento, neste período de avaliação.
O Drone possui câmera com capacidade para filmar vídeos em 4K e fotografar com qualidade de 20 megapixels, além de uma autonomia útil de voo de 20 minutos. O equipamento chega para incrementar o acompanhamento e monitoramento de áreas marítimas, fornecer uma visão ampla, panorâmica e atualizada da região, otimizar o emprego das equipes de IN durante a fiscalização e identificar possíveis embarcações infratoras. Além disso, permitirá visualizar com maior precisão a extensão e a origem dos incidentes de poluição ambiental, a partir de embarcações.
A operação da nova ferramenta está sendo conduzida em consonância com as regulamentações do Comando da Aeronáutica, sendo empregada em cota (altura) reduzida e fora das zonas de aeródromo.